Morte e vida severina

Morte e vida severina

João Cabral de Melo Neto / Sep 16, 2019

Morte e vida severina Colet nea de poemas O rio Morte e Vida Severina Paisagens com Figuras e Uma Faca sem L mina de Jo o Cabral de Melo Neto publicados na d cada de Para Cabral esta d cada

  • Title: Morte e vida severina
  • Author: João Cabral de Melo Neto
  • ISBN: null
  • Page: 410
  • Format: Paperback
  • Colet nea de poemas O rio 1953 , Morte e Vida Severina 1954 55 , Paisagens com Figuras 1955 e Uma Faca sem L mina 1955 de Jo o Cabral de Melo Neto publicados na d cada de 1950 Para Cabral, esta d cada foi crucial para a consolida o da linguagem que viria a refinar nos anos seguintes No poema O Rio , Cabral trata do rio Capibaribe e de seu povo, s queColet nea de poemas O rio 1953 , Morte e Vida Severina 1954 55 , Paisagens com Figuras 1955 e Uma Faca sem L mina 1955 de Jo o Cabral de Melo Neto publicados na d cada de 1950 Para Cabral, esta d cada foi crucial para a consolida o da linguagem que viria a refinar nos anos seguintes No poema O Rio , Cabral trata do rio Capibaribe e de seu povo, s que, desta vez, sob uma tica mais documental e narrativa J Morte e vida severina , publicado pela primeira vez em 1956, retrata a fuga da seca de retirantes que seguem o curso do rio Capibaribe Em Paisagens com Figuras 1955 , o poeta mescla, descri es das paisagens de Pernambuco e da Espanha Por fim, em Uma Faca sem L mina 1955 , Cabral remete a um tema que lhe caro a composi o po tica.

    • Free Download [Suspense Book] ☆ Morte e vida severina - by João Cabral de Melo Neto æ
      410 João Cabral de Melo Neto
    • thumbnail Title: Free Download [Suspense Book] ☆ Morte e vida severina - by João Cabral de Melo Neto æ
      Posted by:João Cabral de Melo Neto
      Published :2019-06-19T17:16:01+00:00

    About "João Cabral de Melo Neto"

      • João Cabral de Melo Neto

        Jo o Cabral de Melo Neto was born in the state of Pernambuco, Brazil, and is considered one of the greatest Brazilian poets of all time.He is often quoted saying I try not to perfume the flower His works are said to be dry, devoid of exaggerated emotions that are usually associated with poetry, sticking usually to images and actions and physical descriptions rather than feelings The image of an engineer designing a building is often used to describe his poetry It usually follows a strict meter and assonant rhymes.He worked as a diplomat for most of his life.In 1990, he won the Cam es Prize, the greatest prize in literature of the Portuguese language In 1992, Jo o Cabral received the Neustadt International Prize for Literature, which some consider to be almost as prestigious as the Nobel Prize.


    593 Comments

    1. Morre-se um pouco ao ler, nasce-se um pouco ao entender"- Seu José, mestre carpina,e que interesse, me diga,há nessa vida a retalhoque é cada dia adquirida?espera poder um diacomprá-la em grandes partidas?- Severino, retirante,não sei bem o que lhe diga:não é que espere comprarem grosso de tais partidas, mas o que compro a retalhoé, de qualquer forma, vida." - João Cabral de Melo Neto


    2. "Morte e Vida Severina" is a short story written as a narrative poetry by João Cabral de Melo Neto, Brazilian writer and Diplomat.It tells the story of Severino - a somewhat generic personification of the people that live on the driest parts of northeastern Brazil - in his journey from his former home on the very dry land of Serra da Costela to Recife, where he hopes to live a little longer.All along his path Severino is confronted with death, and the dryness of the land. He tries, with the cha [...]


    3. E chegando, aprendo que,nessa viagem que eu fazia,sem saber desde o Sertão,meu próprio enterro eu seguia ()- Morte e vida severina.João Cabral de Melo Neto, o autor desta coletânea de poemas, por intermédio deste livro demostrou o quão visual poemas podem ser. A "arte de ver" torna a experiencia bem única, fator de certa forma condizente com a teoria sociológica da Semiótica de Bourdieu, a qual versa sobre a possibilidade de explanação de fenômenos culturais através de um sistema de [...]


    4. Mandatory reading in Brazilian literature. Focusing on Morte e vida severina, it follows the journey of a symbolic Severino showing his poverty and the general poverty in the state of Pernambuco (almost 80 years ago). It's striking to realize the two main types of poor laborers still exists in the countryside: (arid-land) caretakers and sugar-cane cutters, people submitted to unhealthy conditions and trying to flee from hunger and slave-like labor going to the capital by following the Capibaribe [...]


    5. "Uma Faca Só Lâmina" bastaria para começar toda uma tradição poética; digo isso sem sentir a pontada da hipérbole. "Morte e vida severina" é um poema justo, e eu gosto particularmente do seu final e de alguns de seus momentos, mas não é dos meus favoritos do João Cabral. "O rio" é maior e, simultaneamente, menor do que "O cão sem plumas", mas nasce - intuo - de um impulso topográfico admirável: a cuidadosa entrada do espaço no poema. "Paisagens com figuras" ainda nos dá esse tre [...]


    6. "() é difícil defender,só com palavras, a vida,ainda mais quando ela éesta que se vê, severina ()"


    7. Nem gosto muito de poesia, tenho uma certa dificuldade em interpretá-la, mas esse poema é magnífico pela sua crueza e pela sua realidade. É só abrir o jornal que teremos pelo menos uma morte e vida severina ao dia



    8. Um poema que te obriga a tomar as dores do personagem e a falta de esperança que o segue, até que o final, apesar da objetividade, nos faz refletir em como a vida ressurge como solução.



    9. Ao contrário de outros poetas, dos quais igualmente gosto, que seduzem leitores com palavras e os estimulam a um orgasmo intelectual de paralelos, analogias, metáforas João, por sua vez, é duro, é seco, é cru , é ligeiro - quando você vê - já foi O que ele tinha para dizer ficou ali , no nó garganta, no sentimento claustrofóbico, no frio na barriga No desconforto, na agonia. Para tentar entender de onde veio a pancada, você volta, relê, só para perceber que caiu em uma armadilha f [...]


    10. "In the case of good books, the point is not to see how many of them you can get through, but rather how many can get through to you." — Mortimer Jerome AdlerTInha um pouco de preconceito com este livro, por ser estritamente escrito na forma poética. Porém, me apaixonei por ele a partir do momento em que Cabral de Melo Neto descreve o sertão como terra "vaziada, não vazia". O livro abre olhos, ouvidos, o coração e a mente do leitor. Nos descreve uma relidade de forma tão objetiva e, sim [...]


    11. É difícil especificar o que eu senti ao ler essa obra de João Cabral de Melo e Neto. Fui inicialmente até essa obra devido aos inúmeros paralelos que se faziam do plano poesia-prosa entre essa obra e Vidas Secas de Graciliano Ramos. Ambas obras abordam um assunto pelo qual desenvolvi um interesse: a secura não só do clima, mas também uma quase inexorável secura da vida. A obra de João Cabral é especialmente tocante, pois faz com que você se convença de que realmente a vida severina [...]


    12. Livro incrível! Que capacidade de colocar em versos a vida do retirante, de nos fazer sentir as dores e medos, todas as formas de desprezo que por eles os personagens passam.Isso mesmo, os personagens Na primeira parte do livro temos o rio contando seu trajeto, da sua nascente até seu desembocar no mar. Nos conta o que vê em suas margens e o que carrega em seu leito. Na poesia que dá nome ao livro, conta a vida do retirante Severino, faz o mesmo caminho do rio, mas nos dá outro ponto de vis [...]


    13. "Esta cova em que estás, com palmos medidaÉ a conta menor que tiraste em vidaÉ de bom tamanho, nem largo, nem fundoÉ a parte que te cabe deste latifúndio"Um livro importante, que nos faz mergulhar na vida de 'Severinos': personagens ignorados ou esquecidos que, às vezes, em sua fuga da pobreza, encontram mais miséria. Por meio dos desdobramentos da existência de Severino, o texto lida com a nossa questão filosófica mais fundamental: "a vida vale a pena?"


    14. João Cabral de Melo Neto, tal qual Graciliano Ramos e Guimarães Rosa, voltou-se à aspereza da vida no Sertão para compor sua digna e melancólica obra; contudo, ao contrário dos anteriores, apropriou-se da poesia em toda a sua imensa gama de possibiliades sonoras, compondo uma obra semelhante ao cantar dos repentistas a fim de denunciar e, cabe ressaltar, eternizar as condições de existência dos seres humanos lá instalados.


    15. Uma faca só lâmina ()Mais cuidado porémquando for um relógiocom o seu coraçãoaceso e espasmódico.É preciso cuidadopor que não se acompasseo pulso do relógiocom o pulso do sangue,e seu cobre tão nítidonão confunda a passadacom o sangue que batejá sem morder mais nada.Então se for faca,maior seja o cuidado:a bainha do corpopode absorver o aço.()


    16. Contém uma das poucas poesias que realmente me impressiona (triplov/poesia/joao_cabral). Procurando ela achei o livro todo, que aproveitei para ler, e não me arrependi. Uma leitura curta, direta e bastante ilustrativa.


    17. Literatura na veio.Li o livro e vi a peça. Muito bem retratada a realidade e a forma precisa e brilhante de escrever do João Cabral de Melo Neto.Todo estudante deveria ler. E todo brasileiro deveria ver a peça


    18. Obra prima inesquecivel e marcante na geracao dos anos 80 que culminou na famosa musica composta por Chico Buarque de Hollanda.


    19. It'd been a while since I last cried reading a poem. 'Morte e Vida Severina' is utterly heart-wrenching and beautiful at the same time.




    20. A great poem on the hard lives that are being "survived", not lived, at Brazilian's Northeast region.


    Leave a Reply